segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Aulas de redação - Professor Emerson Fulgencio - aula 1 - Tipos Textuais

Meus caros,
Durante as próximas semanas, geralmente nas segundas-feiras à noite, estarei postando conteúdos referentes a prática de redação. Serão artigos, matérias, textos diversos escolhidos criteriosamente a fim de proporcionar uma sequência didática e com o intuito de auxiliar a quem se interessar na hora de escrever textos. Começaremos com "Tipos de Textos". Ao meu ver é o ponto de partida para esse projeto. Conhecer o texto que se quer escrever é muito importante par quem vai escrever.
Quero deixar claro que o material ora será reprodução de postagens, ora será adaptação de materiais que já usei em minhas aulas e que alcancei êxito com meus alunos. As postagens serão numeradas, pois será uma sequência didática, mas não impede que sejam vistas separadamente. Vamos ao trabalho.

Tipos textuais

Os tipos textuais, ou tipologia textual, apresentam propriedades linguísticas intrínsecas nas quais se apoiam os diversos gêneros.

Tipos textuais
Chamamos de tipos textuais o conjunto de enunciados organizados em uma estrutura bem definida, facilmente reconhecida por suas características preponderantes. Podem variar entre cinco e nove tipos, sendo que os mais estudados são a narração, a argumentação, a descrição, a injunção e a exposição.
A tipologia textual, diferentemente do que acontece com os gêneros textuais, apresenta propriedades linguísticas intrínsecas, como o vocabulário, relações lógicas, tempos verbais, construções frasais e outras características que definem os gêneros. Estes, por sua vez, surgem do dinamismo das relações sociocomunicativas e da necessidade dos falantes em um dado contexto cultural, enquanto os tipos já estão definidos, prontos para receberem os diversos gêneros em sua estrutura. Observe a definição de cada um dos tipos e seus exemplos. Bons estudos!
Narração: A principal característica de uma narração é contar uma história, ficcional ou não, geralmente contextualizada em um tempo e espaço, nos quais transitam personagens. Os gêneros que se apropriam da estrutura narrativa são: contos, crônicas, fábulas, romance, biografias etc.
“[...] No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava num sobrado como eu, e sim numa casa. Não me mandou entrar. Olhando bem para meus olhos, disse-me que havia emprestado o livro a outra menina, e que eu voltasse no dia seguinte para buscá-lo. Boquiaberta, saí devagar, mas em breve a esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a andar pulando, que era o meu modo estranho de andar pelas ruas de Recife. Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa do livro, o dia seguinte viria, os dias seguintes seriam mais tarde a minha vida inteira, o amor pelo mundo me esperava, andei pulando pelas ruas como sempre e não caí nenhuma vez [...]”. (Fragmento do conto Felicidade clandestina, de Clarice Lispector).
Dissertação: O texto dissertativo-argumentativo é um texto opinativo, cujas ideias são desenvolvidas através de estratégias argumentativas que têm por finalidade convencer o interlocutor. Os gêneros que se apropriam da estrutura dissertativa são: ensaio, carta argumentativa, dissertação-argumentativa, editorial etc.
“[...] A súbita louvação do nosso Judiciário serve para encobrir a verdade factual, a começar pelo emprego de pesos e medidas opostos no julgamento dos mais diversos gêneros de corrupção política. Até o mundo mineral sabe desta singular situação, pela qual a casa-grande goza da leniência da Justiça, em todos os níveis de atividade [...]” . (Fragmento de um editorial publicado na revista Carta Capital).
Exposição: Tem por finalidade apresentar informações sobre um objeto ou fato específico, enumerando suas características através de uma linguagem clara e concisa. Os gêneros que se apropriam da estrutura expositiva são: reportagem, resumo, fichamento, artigo científico, seminário etc.
“[...] Em Poá, região metropolitana de São Paulo, quatro mulheres desenvolvem a difícil e honrosa missão de comandar, cada uma, uma casa com nove crianças. Chamadas de mães-sociais, elas são cuidadoras permanentes de crianças que foram destituídas de seus lares por causa de maus-tratos, abuso ou falta de cuidados [...]”. (Fragmento de uma reportagem publicada na revista Carta Capital).
Injunção: Os textos injuntivos têm por finalidade instruir o interlocutor, utilizando verbos no imperativo para atingir seu intuito. Os gêneros que se apropriam da estrutura injuntiva são: manual de instruções, receitas culinárias, bulas, regulamentos, editais etc.
“[...] Não instale nem use o computador em locais muito quentes, frios, empoeirados, úmidos ou que estejam sujeitos a vibrações. Não exponha o computador a choques, pancadas ou vibrações, e evite que ele caia, para não prejudicar as peças internas [...]”. (Manual de instruções de um computador).
Descrição: Os textos descritivos têm por objetivo descrever objetivamente ou subjetivamente coisas, pessoas ou situações. Os gêneros que se apropriam da estrutura descritiva são: laudo, relatório, ata, guia de viagem etc. Também podem ser encontrados em textos literários através da descrição subjetiva:
“[...] Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente crespos, meio arruivados. Tinha um busto enorme, enquanto nós todas ainda éramos achatadas. Como se não bastasse enchia os dois bolsos da blusa, por cima do busto, com balas. Mas possuía o que qualquer criança devoradora de histórias gostaria de ter: um pai dono de livraria. [...]”. (Fragmento do conto Felicidade clandestina, de Clarice Lispector).
“[...] É na parte alta que fica o colorido Pelourinho, bairro histórico e tombado pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. Em suas ruas e vielas estão centenas de casarões dos séculos 17 e 18 que abrigam de museus a terreiros de candomblé, além de templos católicos que atraem estudiosos do mundo todo – é o caso da igreja de São Francisco, considerada a obra barroca mais rica do país [...]”. (Descrição objetiva de um guia de viagem).

fonte: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/redacao/tipos-textuais-estrutura-discurso.htm

sábado, 25 de março de 2017

FEDERAL DO PARANÁ 2016/2017 LITERATURA - Claro Enigma, de Carlos Drummond de Andrade

Claro Enigma
autor: movimento: Modernismo - Geração de 30Por Fernando Marcílio
Mestre em Teoria Literária pela Unicamp


RESUMO

Uma das formas de compreender o conjunto dos 41 poemas que formam a coletânea de Claro Enigma, de 1951, é comparar este livro com A Rosa do Povo, livro publicado em 1945. Se na lírica dos anos 40 predominava a postura de engajamento e compromisso social, agora o questionamento em torno desse posicionamento ganha espaço na poesia drummondiana. 
Assim, a poesia abandona o desejo de buscar respostas e passa a focalizar as perguntas que precisam ser feitas. Ao invés da comunhão anterior, vigora a certeza melancólica da dissolução iminente. A esperança é substituída pelo desencanto. As referências mais diretas ao mundo concreto, historicamente localizado, são preteridas em nome de um universo metafísico, que pesquisa o ser humano em si, independente de seu entorno. 
A relativa perda de certezas políticas representa um passo no sentido da formulação de um novo projeto literário, capaz de se colocar de forma perplexa diante das possibilidades que se apresentam. Além de tematizar exatamente a angústia das incertezas quanto ao rumo a ser seguido. 
Desse ponto de vista, ganham especial significado os versos de “Cantiga de enganar”: “O mundo não vale o mundo, / meu bem. / Eu plantei um pé-de-sono, / brotaram vinte roseiras. / Se me cortei nelas todas / e se todas se tingiram / de um vago sangue jorrado / ao capricho dos espinhos, / não foi culpa de ninguém”. É sintomático que esses versos retomem a imagem da rosa – proeminente, já a partir do título, em A Rosa do Povo – e mais ainda a maneira como o fazem: os espinhos da rosa agora ferem o poeta. As certezas e as esperanças anteriores são capazes de sangrar, isto é, podem levar à perda da vida.  
Em termos formais, nota-se o retorno a formas clássicas. Na verdade, não era uma tendência exclusiva de Drummond. A poesia de sua geração, que surgiu em 1930, já se caracterizava pela retomada de formas clássicas, como a do soneto, por exemplo, campo no qual seu contemporâneo Vinícius de Moraes ganhou merecido destaque.
Além disso, a chamada “geração de 45” foi formada por poetas de forte influência clássica. Sem manifestar os vícios formalistas, o fato é que o poeta mineiro se coloca muito distante tanto do coloquialismo um tanto ingênuo dos modernistas da primeira hora, quanto da tendência panfletária, de comunicação fácil, de alguns de seus poemas da década de 1940. O retorno ao arcaísmo formal inibe os versos livres e o resgate de uma terminologia mais filosofante e classicizante distancia sua expressão da marca coloquial.
Se o leitor quiser levar em conta as coordenadas históricas, tão importantes em A Rosa do Povo, basta recordar que, no final dos anos 1940 – período de composição dos poemas de Claro Enigma – vivia-se a Guerra Fria e a ameaça da bomba atômica. O mundo mergulhava em uma disputa ideológica envolvendo capitalismo e comunismo que, para além das diferenças entre as duas ideologias, revelavam os meandros dos regimes de força que as sustentavam. Para um poeta como Drummond, que sempre lutou pela liberdade, a percepção dessa identidade entre regimes ideologicamente tão distintos conduzia à perplexidade e ao pessimismo.

CONTEXTO

Sobre o autor
Durante cerca de quarenta anos, Carlos Drummond de Andrade representou um sopro de originalidade na poesia brasileira. Da herança modernista manifesta na poesia dos anos 30, passando pela poesia de caráter social dos anos 40 e pela acentuação da tendência reflexiva na década de 50, até chegar em uma poesia de síntese, retomada e ainda de renovação nos anos 60, temos um conjunto de proposições que respondem de forma imediata às questões de seu tempo.  
Importância do livro
Depois de um período de engajamento político mais explícito, Drummond passa por uma fase de decepção com os rumos do socialismo após a Segunda Guerra Mundial. O abandono da militância conduziu o poeta a uma introspecção mais acentuada. Claro Enigma é o melhor produto dessa vertente e apresenta um traço forte da poesia do autor: sua capacidade de verticalizar os temas de que trata, submetendo-os a uma visão profunda e transcendente. 
Período históricoDrummond sempre se colocou como o poeta da vida presente e como “gauche”, isto é, capaz de retratar o incômodo das situações diante das quais o indivíduo é colocado. Em livros como A Rosa do Povo, retratou a guerra européia e a ditadura varguista, evidenciando sua postura contrária a elas. Em livros como Claro Enigma, faz referência ao mundo imediatamente posterior à guerra e à ditadura, mostrando a mesma perplexidade e o mesmo inconformismo.

ANÁLISE

Os 41 poemas de Claro Enigma são distribuídos em seis seções: I – “Entre Lobo e Cão” (18 poemas); II – “Notícias amorosas” (7 poemas); III – “O menino e os homens” (4 poemas); IV – “Selo de Minas” (4 poemas); V – “Os lábios cerrados” (6 poemas); VI – “A máquina do mundo” (2 poemas).  
Desse conjunto, destacam-se os primeiros poemas, que indicam certos aspectos importantes do livro como um todo. Assim, “Dissolução” (poema de abertura do livro) traz versos significativos: “Esta rosa definitiva, / ainda que pobre” faz clara referência ao livro de 1945. A “pobreza” dessa rosa vem da dissolução das afirmações categóricas, das certezas absolutas. Resultado dessa desconstrução é a fragmentação humana que, embora sempre presente na obra do poeta, é acentuada consideravelmente através da afirmação da submissão (“aceito a noite”), da imobilidade (“Braços cruzados”), da dúvida (“Um fim unânime concentra-se / e pousa no ar. Hesitando”), do espalhamento (“Assim a paz, / destroçada”) e do silêncio (“calamo-nos”). 
Se este primeiro poema apresenta os parâmetros, digamos, ideológicos do livro, o segundo, “Remissão”, aponta os princípios formais que serão seguidos. Trata-se de um soneto clássico: versos decassílabos e esquema de rimas retirado da tradição camoniana (ABAB ABAB CDE CDE). Mas aqui também temos a reafirmação de linhas temáticas que serão seguidas: os últimos versos do poema (“enquanto o tempo, em suas formas breves / ou longas, que sutil interpretavas, / se evapora no fundo de teu ser?”) sugerem um tempo voltado para dentro do poeta, isto é, uma perspectiva interior, introspectiva.  
Além disso, nessa indagação que o poeta dirige a si mesmo, é possível entrever um questionamento desencantado da atividade poética. Mas esse desencanto está longe de significar uma proposta de abandono da poesia. Antes, é o elogio da poesia em si, da realização poética enquanto tal, menos afeita à referência exterior, ao tempo voltado para fora. 
O quarto poema da coletânea, “Legado”, confirma as marcas formais clássicas do livro, trata-se de um soneto alexandrino (versos de doze sílabas). No entanto, o que se expressa com essa forma clássica é algo bastante anticlássico: a descrença na perenidade da poesia. Para o contexto moderno, isso significa colocar em xeque a capacidade agressiva da palavra. O final é tão irônico quanto melancólico: “De tudo quanto foi meu passo caprichoso / na vida, restará, pois o resto se esfuma, / uma pedra que havia no meio do caminho”. 
Outros poemas antológicos da obra são: “Amar”, que trata da experiência amorosa quase compulsória, isto é, independente do próprio alvo desse amor; “A um varão, que acaba de nascer”, repleto de premonições pessimistas; “Os bens e o sangue”, que focaliza a herança mineira da qual o poeta não consegue escapar; e “A máquina do mundo”, resgate do tema tradicional, abordado de uma perspectiva moderna, segundo a qual o indivíduo rejeita a possibilidade do conhecimento pleno do mundo.

FEDERAL DO PARANÁ 2016/2017 LITERATURA - A última quimera, de Ana Miranda

A Última Quimera


Título: A Última Quimera
Autor: Ana Miranda

Sinopse*: Com sua rara habilidade de trazer até o presente o sentimento vivo do passado, Ana Miranda, que já recriou no premiado Boca do Inferno as aventuras do inquieto Gregório de Matos na Bahia do século XVII, debruça-se neste livro sobre a vida e a obra de Augusto dos Anjos (1884-1914), o poeta que surpreendeu nosso mundo literário ao misturar a objetividade do cientificismo com os mais profundos sentimentos do ser humano. Lastreada por uma ampla pesquisa histórica, a autora não só dá corpo poético às inquietações metafísicas que consumiam o jovem poeta, como traça um quadro impecável dos costumes e principais acontecimentos da época: os descaminhos da República, as disputas políticas, a Revolta da Chibata, a modernização do Rio de Janeiro, o duelo entre Olavo Bilac e Raul Pompéia, a onipresente influência francesa, etc. O resultado é um panorama vivo de um dos momentos mais fascinantes de nossa história recente, numa obra literária instigante e memorável. 
Fonte: www.alunos.diaadia.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=92 

Leia um excelente resumo comentário em:
http://www.recantodasletras.com.br/redacoes/3373696

Conheça um pouco sobre a aoutora emhttp://www.anamirandaliteratura.com.br/


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

POSSÍVEIS TEMAS DE REDAÇÃO PARA O ENEM 2016

Gostei da sugestão, vale a pena conferir.

O conceito da família
Deste século, com o objetivo de debater sobre a adoção de crianças por casais homossexuais e sobre a nova norma na guarda compartilhada de crianças, quando os pais se divorciam.
Dengue, Zica e Chikungunya
O tema pode pedir para falar dos novos casos das doenças, das campanhas de combate e sobre a conscientização da população. Os crescentes casos de microcefalia, que ainda não tem sua ligação comprovada com a transmissão do mosquito aedes aegypti.
As campanhas de vacinação
Principalmente contra o Sarampo e o HPV, para meninas de até 13 anos de idade. Um assunto batido, mas que o estudante deve estar sempre preparado é sobre os problemas no Sistema Único de Saúde (SUS) como falta de médicos, atrasos, grandes filas de espera e falta de equipamentos, além do Programa Mais Médicos.
O limite da estética e da saúde
Também é um bom assunto. Até onde o ser humano pode ir para atingir a sua exigência em relação à beleza. O busca pelo corpo perfeito, com dietas, cirurgias plásticas e produtos, tem limite?
A sustentabilidade de empresas e o aquecimento global
São assuntos comuns nessa área. Mas, no Brasil, a Política Nacional de Resíduos Sólidos é um tema que agora está sendo muito debatido nos municípios do país. Então é importante saber sobre o que é essa política, o dever dos governos municipais e como a população pode cobrar a coleta seletiva.
Intolerância religiosa
O ataque à revista Charlie Habdo pode exemplificar o tema. Mas muito mais do que um caso isolado, a intolerância religiosa é grande tanto no Brasil como em outros países. Ao debater esse tema, precisamos lembrar da laicidade do Estado e do respeito aos diferentes tipos de crenças e rituais religiosos, podendo destacar, no caso do Brasil, o grande preconceito existente com religiões de origem africana.
Justiça com as próprias mãos
Tema bastante polêmico em 2014 e que pode ser discutido com mais imparcialidade esse ano. O combate à violência através da justiça com as próprias mãos é válido? Definições de justiça, casos de linchamentos, rebeldia com a ordem e segurança públicas são alguns pontos que abordam essa temática.
Fonte: http://www.horadoenem.org/possiveis-temas-de-redacao-do-enem-2016/#forward


quarta-feira, 22 de junho de 2016

quinta-feira, 3 de março de 2016

ADRIANA FRANZON - PROFESSORA DO CURSO TÉCNICO EM PODOLOGIA

Na manhã de hoje, 03, a professora Adriana Franzon do curso Técnico em Podologia do CEPFI - Centro de Educação Profissional do Oeste do Paraná, teve a oportunidade de mostrar e falar a Foz do Iguaçu e região um pouquinho do seu trabalho. Adriana participou da gravação de uma entrevista que será exibida em breve no programa DESTAQUE da Rede Massa (SBT). Foi um momento de muito profissionalismo, a professora apresentou a importância da saúde dos pés e deu dicas de como manter saudáveis o que ela mesmo conceituou como "aqueles que nos levam e nos trazem, que nos conduzem aos nossos sonhos". A entrevista vai ao ar na semana que vem, a seguir algumas fotos.







sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

“Jogamos o nível lá embaixo” REVISTA VEJA

Copiei apenas duas das respostas da especialista. Por quê? Somente com essas respostas da entrevista toda pode-se notar que o tão famoso "ORDEM E PROGRESSO", estou aberto a críticas, talvez seja o que está faltando na educação do nosso país. Os profissionais precisam enxergar o objetivo daquilo que ensinam. Ouve-se com frequência em salas de aulas professores afirmarem que tal conteúdo não tem utilidade. Rio alto com isso.  Vou parar por aqui, seguem abaixo as respostas. 

A especialista em política educacional diz que a proposta de currículo nacional feita pelo
governo não estabelece objetivos claros para o aprendizado e vai formar alunos
menos preparados que os de outros países


É boa a proposta de currículo único que o governo disponibilizou para consulta pública? Não, ela tem problemas graves. As disciplinas não conversam entre si e, mais importante, as habilidades que devem ser desenvolvidas em cada uma delas não se organizam em uma progressão clara. Não está explícito que aluno esse currículo deve formar no fim do ensino médio. E esse é o objetivo primordial de qualquer currículo, em qualquer parte do mundo.
A falha, então, está na raiz da proposta? Para o ensino de qualquer disciplina, é preciso que esteja claro quais são seus objetivos. Essas ideias centrais ou conceitos-chave se encadeiam numa progressão, ano a ano, ciclo a ciclo. O currículo detalha como isso é feito. Professores, diretores, pais e alunos precisam enxergar essa evolução com clareza, para compreender como se dará o aprendizado. No documento do Ministério da Educação, essa progressão não está presente e não há definições claras do que se espera que os estudantes sejam capazes de fazer no fim de cada ano escolar. Em certos pontos, o documento é tão confuso que um leigo não é capaz de decifrá-lo.